Compra e Venda 05/05/2018

Aquecimento a gás, solar ou elétrico

Qual escolher em um apartamento?

A água quente é um benefício maravilhoso, seja para o banho, a higiene pessoal ou mesmo a limpeza do lar. Só que para ter acesso à melhor — e mais econômica — solução, é preciso atenção. Isto porque as três principais fontes disponíveis (aquecimento a gás, solar e elétrico) possuem diferentes características.

Para quem está em busca do novo apartamento, essa escolha influencia diretamente na decisão de qual o melhor condomínio para o seu estilo de vida.

Confira em nosso artigo as informações sobre o funcionamento, vantagens e desvantagens para, dessa forma, fazer a escolha mais acertada.

Como funciona o aquecimento a gás, o solar e o elétrico?

A maioria dos lares brasileiros conta com a eletricidade para o aquecimento. O funcionamento é simples: ao abrir a torneira, a água se acumula dentro da caixa, aciona os dispositivos elétricos repassados para a resistência, onde são transformados em calor e aumentam a temperatura da água.

O processo é muito rápido e sem desperdícios, mas a taxa de consumo é bastante alta. E devido ao aumento considerável no preço da conta nos últimos anos, à crescente consciência ambiental e às crises do sistema de fornecimento, a população vem percebendo que é preciso aprender a contar com outras formas mais baratas e que agridam menos o meio ambiente.

O aquecimento a gás é a segunda possibilidade mais popular. Nele, o gás acende uma chama (como num fogão), envolvido por uma espécie de tubo (serpentina) onde circula a água a ser aquecida. O processo é um pouco mais demorado do que no elétrico, mas ele permite um melhor controle da temperatura final, a partir de misturadores no registro.

O terceiro tipo vem conquistando cada vez mais adeptos. O aquecimento termossolar é limpo, barato e possui uma fonte inesgotável de energia: o sol. Nele, as placas solares captam o calor que é transferido para a água, que corre em tubos de cobre e fica armazenada e mantida em alta temperatura no boiler (reservatório com isolamento térmico). A partir daí, basta usar conforme a necessidade.

Quais as vantagens e desvantagens de cada tipo?

Apenas a partir da explicação sobre o funcionamento dos aquecimentos a gás, elétrico e solar, já dá para perceber as principais vantagens e desvantagens de cada um. No caso das soluções elétrica e a gás, ambas precisam de recursos finitos (e cada vez mais caros) para seu funcionamento. Já o sol, esse oferece energia suficiente e gratuita, sem impactos ambientais.

Só que investir em uma solução verde (termossolar) também necessita de um gasto inicial mais alto na instalação. Esse investimento tem retorno em alguns anos, mas pode ser um peso no bolso de quem está envolvido em construção, reforma ou decoração. Assim como na instalação a gás, é preciso fazer um sistema hidráulico específico para a circulação de água quente e fria, separadamente.

Chuveiros e torneiras elétricas também precisam de cuidado na instalação, com fiação que suporte o alto consumo e disjuntores apropriados. Senão, você corre o risco de ter a água quente bruscamente cortada durante o uso ou mesmo ocasionar acidentes.

Como escolher a melhor opção?

Na verdade, quem está em busca de um novo empreendimento para viver melhor (seja para constituir ou criar a família) deve considerar o impacto de cada uma das soluções apresentadas a médio e longo prazo. Um condomínio que já investe em uma estrutura de aquecimento a gás, por exemplo, permite que você tenha água quente em todas as torneiras do imóvel, sem a necessidade de uso de eletricidade (conforto térmico mesmo quando falta luz).

Além disso, as soluções a gás já contam com estrutura hidráulica para suportar, no futuro, a adoção de sistema termossolar no apartamento, por exemplo. A questão é encontrar o formato que melhor atenda as necessidades e desejos, seus e de sua família.

Gostou de saber mais sobre as diferentes maneiras de aquecer a água no apartamento e aproveitar os benefícios? Que tal ajudar outras pessoas em busca de informações sobre assunto? Compartilhe nosso artigo em suas redes sociais e marque quem pode se beneficiar das nossas dicas!